segunda-feira, 26 de abril de 2010

RIMBAUD - O ANJO NO EXÍLIO


Acabo de ler , emocionado , a biografia do poeta Arthur Rimbaud ,escrita magistralmente por Edmund White . Nascido Jean Nicholas Arthur Rimbaud na pequena cidade de Charleville , nas Ardenas , Norte da França , aos 21 de outubro de 1854 , Rimbaud mostrou-se um menino prodígio desde os primeiros anos de vida . Aos 15 anos ganhou seu primeiro prêmio literário e , daí para a frente , mostrou ao mundo que não nascera para viver uma vida comum . Dono de uma beleza rara era , no entanto , introvertido , silencioso e extremamente controlador e exaltado . Adolescente ainda , já sonhava em romper drasticamente com a tradição literária e inaugurar um nova época na poesia . Fugia constantemente de casa e da mãe dominadora incursionando , sujo e faminto , pelas ruelas de Paris , Londres e Bruxelas . Sempre escrevendo . Em 1870 , aos 16 anos anos , já tinha poemas consagrados como "Les Etrennes des Orphelins" , "Sensation" ,"Ophelie" e "Credo in Unam" . No ano seguinte , através de seu mentor Charles Bretagne , fica conhecendo Paul Verlaine e muda-se para sua casa , em Paris . Um era a antítese do outro . Rimbaud , o diabrete irascível de profundos olhos azuis e cabelos louros , era belo , fanfarrão , voluntarioso e indomável . A perfeição de seus traços está estampada na foto que ilustra a materia . Foi tirada em 1871 , num café de Paris, pelo fotógrafo Etienne Carjat . Tinha 17 anos . Verlaine , por sua vez , possuia duas facetas : era considerado feio , baixinho , careca e desengonçado . Uma caricatura de Sócrates , diziam . Era também um católico fervoroso , de vóz lirica , triste e apaixonado . Até que o absinto o transformasse num beberrão briguento e homicida .Era casado e tinha um filho . Mesmo assim , ambos se apaixonam e passam a viver um louco romance entremeado de brigas , discussões , rompimentos , reconciliações e mergulhos no submundo do mundo onde , famintos e sem dinheiro , buscavam novas formas de viver e de sonhar . Ligam-se aos "comunnards" e encharcam-se de absinto e haxixe . Vivem essa louca união até 1873 quando , desprezado , Verlaine tenta matar Rimbaud e é condenado e encarcerado por dois anos . No cárcere, escreve "Crimen Amoris" , um pedido de perdão . Ambos se encontram pela última vez em Stuttgart , na Alemanha . Em 1874 , aos 20 anos , desgostoso da vida , Rimbaud se despede definitivamente da poesia . Quatro anos depois , parte para a África transformado em mercador de armas e especiarias . Em maio de 1891 , muito doente ,retorna a Marselha , onde teve a perna direita amputada . Morre seis meses depois e é enterrado na presença apenas de sua mãe e de sua irmã Isabelle . Tinha 37 anos , dos quais dedicou apenas quatro para escrever sua bela e volumosa obra . Navegou vitorioso por toda a história da poesia desde o verso latino até os românticos, parnasianos e simbolistas . Inventou o surrealismo . Verlaine , por sua vez , escreveu durante três décadas e morreu aos 57 anos . Sempre encharcado de absinto e navegando da prisão para a sarjeta . Mas sem nunca ter deixado de escrever poemas belísimos que fizeram dele a maior expressão do simbolismo . Definitivamente , eram dois gênios !

2 comentários:

Eduardo P.L disse...

Esses fabricantes de letras e de sonhos, às vezes precisam ir ao inferno para nos descrever o paraíso!

Waldo Claro disse...

Soube agora que Eduardo está passando por exames em SP .Enviei-lhe a seguinte mensagem :" Oi Eduardo , meu caro e dileto amigo .Não sabia desses seus transtornos.Se soubesse , não o teria incomodado tanto . Passei por agruras assim em 2005 .Câncer no pulmão . Tinha certeza de que não sobreviveria à cirurgia .Mas venci , como V. vai vencer. Sua aparência está ótima e as fotos da Paulinha sensacionais . Tenha fé e confança . Recebam ambos o meu abraço .Até sempre!!!"